Copyrights @ Journal 2014 - Designed By Templateism - Published By Gooyaabi Templates - SEO Plugin by MyBloggerLab

terça-feira, 6 de maio de 2014

, , ,

Coalizão: Ordo Dracul (pronuncia-se OR-do dra-CUL)

Share
 

A ORDO DRACUL alega seguir os ensinamentos de Vlad Tepes, o Drácula. Drácula alegava não ter senhor, sendo atingido diretamente com a maldição do vampirismo por Deus, devido a seu abuso da fé. Os Dragões, como são conhecidos, representam uma das mais jovens e maiores facções majoritárias da sociedade dos Amaldiçoados. Seu suposto fundador não é visto há mais de 100 anos, e a sua ausência é motivo para dúvidas e questionamentos de outros vampiros.

A Ordem ensina que nada é permanente, que mesmo o vampirismo pode ser superado. Os Dragões desenvolveram certos ritos sobrenaturais que amenizam o efeito da Maldição, chamados Espirais do Dragão. Apesar de não haver qualquer evidência de vampiros que escaparam à Maldição através dos ritos dos Dragões, as crenças da Ordem ainda atraem vampiros de todos os tipos e idades para as suas fileiras.

Todos são bem-vindos, de maneira que seu conhecimento e experiência da condição vampírica possam ser compartilhados. Essa reserva crescente de conhecimento é um dos objetivos dos Dragões - quanto mais eles conheceram a Maldição, melhor podem atuar contra ela.

Benefício: Membros da Ordo Dracul podem aprender as Espirais do Dragão. Espirais do Dragão são um conjunto de ritos que permitem aos vampiros superar certas partes da Maldição.

A Língua do Dragão

A Ordo Dracul possui uma estrutura hierárquica conhecida como a Língua do Dragão. Através do cumprimento de diversos ritos e iniciações, os Dragões passam de um “circulo de mistério” ao seguinte. A progressão da hierarquia parece relacionada com o domínio das Espirais do Dragão, mas na realidade são aspectos não relacionados a eles.
Ainda assim, o domínio das Espirais determina sua posição inicial na Ordo, e o titulo que recebe, embora não se limite a elas. Na hora de estabelecer a hierarquia existem muitos elementos além das Espirais, ainda que o domínio destas sirva como guia para determinar a posição de uma nela.

Hierarquia básica

A hierarquia inicial é determinada pelo domínio das Espirais do Dragão, que determinarão seu Titulo inicial dentro da Ordo. Segundo o numero de escalões dominados se recebe um nome formal distinto, que irá mudar à medida que o Dragão progrida nas Espirais.
Abaixo indicamos a hierarquia dos Dragões segundo o numero de escalões das Espirais dominadas, tal como foi estabelecida por Drácula no momento em que fundou a Ordo Dracul:

0- Escravo          nenhuma camada
1-  Suplicante     1 camada
2-  Escriba           2 camadas
3- Erudito           3 camadas
4- Iniciado         4 camadas
5-  Adepto            5 camadas
6- Mestre            6 camadas
7-  Filosofo          7 camadas
8- Iluminado     8 camadas
9- Arquiteto       9 camadas
10- Visionário   10 camadas
11-  Imortal         11 ou mais camadas

Além destas classes, o titulo de Dragão possui um segundo componente, chamado Domínio, que determina a Espiral melhor dominada pelo Membro em questão:

- Espiral do Sangue:da Fome
- Espiral das Maldições:da Maldição
- Espiral da Besta:do Terror
- Espiral da Alma:do Vácuo
- Espiral da Carne:da Dor
- Todas as Espirais por igual: do Equilíbrio

Alguns inclusive, adotam um terceiro componente para seu titulo, incorporando a este um adjetivo referente a segunda Espiral em que mais tenha avançado:

- Espiral do Sangue:Sanguíneo ou Sangrento
- Espiral das Pragas:Ardente ou Feroz
- Espiral da Besta:Selvagem ou Indomado

O terceiro componente é a decoração, que é adicionada a formula do titulo + domínio da Espiral como os desejos do Dragão, seja para transmitir informações adicionais sobre o Dragão e seus feitos dentro da Ordo Dracul, ou simplesmente para parecer mais impressionante a terceiros.

As decorações normalmente são colocadas antes do título + domínio

-Se houver estudado apenas uma Espiral: Dedicado
-Se houver estudado quatro Espirais separadas: Invisível
-Se houver estudado cinco Espirais separadas: Etéreo
- Se houver estudado a quarta camada de qualquer Espiral especifica: Penúltimo

Decorações personalizadas

São decorações criadas para simbolizar o estereótipo de cada clã dentro da Ordo Dracul:

Elegante: Deva
Selvagem: Gangrel
Críptico: Mekhet
Assombrado: Nosferatu
Comandante: Ventrue

Exemplo: O Dragão Zarek Marko domina 5 níveis das Espirais do Dragão, os 3 da Espiral do Sangue e 2 da Espiral da Besta. Como domina 5 níveis e estudou dois Espirais, seu titulo é de “Invisível”, seu titulo básico é de “Adepto”. Como a Espiral que melhor domina é a do Sangue, ele adicionou a seu titulo “da Fome”, e como em segundo lugar ele avançou na Espiral da Besta, ele incorpora a seu titulo o adjetivo “Indomado”, o resultado final, portanto é: Zarek Marko, Invisível Adepto Indomado da Fome.

Esta hierarquia serve como base na hora de determinar a posição e para resolver conflitos entre os membros da ordem. Mas não é o único fator: existem outros fatores que influem tanto ou mais que ela:

- Conflitos entre Jurados de Drácula: tem prioridade o Jurado cujo campo de atividade seja o determinante do conflito. No caso de que não se possa determinar com clareza quem deve ter preferência, a autoridade recairá naquele que mais tenha feito avanço nas Espirais do Dragão.

- Conflito entre Jurados de Drácula e outros Dragões: concede-se a autoridade ao Jurado de Drácula, independentemente do progresso de cada um nas Espirais do Dragão.

- Conflito entre Dragões não pertencentes aos Jurados: concede-se a autoridade àquele Dragão que mais avançou nas Espirais do Dragão.

Os Jurados de Drácula

Os Jurados de Drácula foram criados pelo próprio no momento da criação da ordem. Estas três facções são a máxima autoridade na Ordo Dracul e respondem unicamente a Drácula. Estes Jurados são o Jurado do Machado (ou escarlate, guerreiros e protetores), o Jurado dos Mistérios e o Jurado da Luz Moribunda (Azures, acadêmicos e juízes) e os Jurados dos Mistérios (Ônix, diplomatas e políticos), cada um com autoridade sobre os outros em seu campo de atuação, mas subordinados a eles quando o campo seja o de outro Jurado. Deste modo, ninguém tem supremacia sobre o resto, e Drácula tem sobre todos.

Jurados do Machado

Em sua origem fora dirigido por Mara, a primeira cria de Drácula. Nos momentos de batalha e de perigo, a sua autoridade é máxima dentro da Ordem, e todo aquele que não estiver disposto a acatá-la é castigado com a morte ou com o vinculum. São encarregados da defesa da Ordem, seus membros e, especialmente, seus segredos (as Espirais em particular). Aqueles que revelem uma camada a alguém de fora da ordem é castigado com um duplo nível vinculum a um Dragão.  Quem revela duas camadas é castigado com dois vínculos a dois Dragões. E quem revela três camadas, recebe a condenação de sofrer uma devoção simultânea a três membros da Ordem.
Somente aqueles com um grande progresso marcial e que tenha arriscado a sua não-vida para defender os segredos da ordem podem ser escolhidos para tomar parte deste corpo, ainda que seja vergonhoso ter sua aprovação rechaçada.

Jurados da Luz Moribunda

Em sua origem, fora dirigido por Anoushka, cria de Mara. São aqueles encarregados de explorar os limites do vampirismo, aprofundar-se nas Espirais, e desenvolver novas, se possível. Em todos os conflitos de autoridade eles têm a preferência, pois são juízes e conselheiros da ordem, e quem determina a direção dos estudos da ordem. Dentro da ordem, estão terminantemente proibidos (sob pena de diablerie) os estudos que subjuguem a vontade do Dragão a demônios, anjos, espíritos ou qualquer criatura que não seja ele mesmo.
Somente podem fazer parte dos Jurados da Luz Moribunda aqueles que tenham encontrado ou guardado para a ordem algum tesouro oculto (conhecimentos arcanos, artefatos, locais de poder...) podem ser escolhidos.

Jurados dos Mistérios

Em sua origem, foi dirigida por Lisette, a segunda cria de Drácula. São os que decidem a direção e o destino da ordem, e sua é a autoridade quanto a ações e decisões coletivas.
Seus membros são escolhidos por aclamação, precisando do apoio de 20 Dragões para entrar, e nenhuma oposição. Tal responsabilidade leva seus riscos: são terminantemente proibidos de provar o sangue de qualquer outro Membro, e se algum deles for vinculado à força, deve ser consumido voluntariamente à luz solar (e se não for capaz de fazê-lo, é expulso em vingança). Aquele que comete diablerie é empalado e queimado por aqueles que lhe escolheram.

Outras classes da Ordem

Guardiões

São responsáveis por vigiar e cuidar dos Ninhos da Serpente, e procurar que não sejam profanados ou destruídos por outros Membros ou por outras criaturas sobrenaturais.
Os Ninhos da Serpente (também chamados de Nexos, Nodos ou Ninhos do Dragão) são lugares de natureza mística, não estáticos, que mudam e se transformam de força e lugar. Alem disso, ao seu redor encontramos correntes místicas que se dirigem até eles (as Linhas de Poder). A cada poucos anos, são cartógrafos da Ordo (cargo de grande honra) redigem com reverencia os mapas místicos do mundo, empreendendo buscas para encontrar novos.
Embora a importância de seu trabalho não exija que defendam até o final com suas não-vidas estes nodos, pois os nodos são transitórios e podem se deslocar, mas que não vale à pena perder a não-vida por algo que é provável que em breve mude.

Kogaion

Titulo de origem trácia que significa “a cabeça do magnífico”. É o Guardião de maior classe em uma cidade com presença importante dos Dragões. É encarregado de proteger os mapas de nexos e linhas de poder da cidade, seus tesouros místicos, e a lista dos Dragões locais. É uma das máximas honrarias dentro da Ordem, mas seu cargo lhe obriga a normalmente viver isolado do resto dos Membros.
Somente se elege um novo Kogaion quando o antigo morre, renuncia ou é declarado indigno de confiança (para o que é necessária uma declaração neste sentido de ao menos outros sete kogaions).

Confessor

Dragão que renuncia estudar as Espirais do Dragão, e que se dedica à confissão de seus irmãos de bando, para ajudar-lhes a manter sua Humanidade e não se deixar ser arrastado pela Fera. Não absolve os pecados, pois uma vez que a mudança ocorre nada pode fazer, mas pode aconselhar e guiar seu caminho. Às vezes, na busca por iluminação, é necessário aceitar que a Fera se tornou forte, e que a humanidade corroeu-se, mas corresponde ao confessor estar atento quando a busca de um Dragão provocar a erosão da humanidade além do desejável.

Executor

A ordem sabe que não pode guardar exclusivamente para si as Espirais do Dragão ou outros segredos. Mas existem segredos que não se permite que saiam para o exterior da ordem. Para esses casos são formadas coteries marciais de executores, com a missão de silenciar permanentemente o infrator. Nessas coteries sempre haverá um estudante do traidor, e após realizar a missão e ser recompensados, a coterie será dissolvida (em alguns casos extremos, suas memórias são apagadas por Dominação).

Viajante

Em algumas sedes da ordem, especialmente na Europa, os Dragões exigem que seus iniciados experimentados realizem um período de viagem e estudo para adquirir conhecimento direto das Linhas de Dragão e seus efeitos ao redor do mundo. Estes viajantes seguem uma existência nômade e solitária, ainda que em caso de necessidade possam receber ajuda de outros Dragões. Seu período de serviço pode variar de capela a capela, e em geral duram entre 5 e 10 anos, durante os quais se familiariza com os nodos e linhas de poder de uma região.
Uma vez concluído o serviço, ele entrega os resultados aos anciões que lhe encarregaram à missão. Não se trata de um exame para aprovar ou suspender, mesmo que quem tenha realizado seu trabalho influirá em seu futuro progresso na ordem. A maior honra que se pode conceder a um Viajante é que lhes peça para supervisionar a redistribuição do mapa geomântico da região que estudou.

Facções internas

Os Devotos de Hermes

Alguns Dragões eruditos penetram em territórios hostis para estudar as Linhas e Nodos do Dragão, enfrentando lupinos, magos ou espíritos. Os Devotos de Hermes são uma das muitas ordens de cavaleiros que são dedicadas à Ordo Dracul. Seus membros são recrutados entre os Viajantes comprometidos e anciões de baixo escalão, e realizam um serviço de 12 anos em sua região designada. Só podem ingressar mediante indicação, e sob a aprovação dos anciões da região.
Os Devotos de Hermes em geral trabalham em bandos de cavaleiros com membros que se complementam (diplomatas, eruditos, guerreiros...). Se escoltarem outros membros da Aliança, são completamente responsáveis por sua segurança e de todos os aspectos da viagem, agindo como guarda-costas, guias e ajudantes.
Os membros dos Devotos de Hermes têm a permissão de adicionar o titulo “Defensor da Fé” a seu titulo e classe normais.

O Hálito do Dragão

Não se trata de uma ordem de cavalaria, e os anciões inclusive negam sua existência. Segundo rumores, são pequenos grupos de caçadores que viajam pelo país caçando aqueles Membros que incorreram na ira da Ordo. Suas armas favoritas são o fogo e luz solar, e procuram não deixar rastros. Agem normalmente contra desertores que compartilharam seus segredos com indignos, e também contra espiões de outras alianças ou contra outros seres sobrenaturais que ameacem a ordem.
É desconhecido o meio como escolhem seus membros, que mantêm em segredo pertencer a eles. Tão pouco se sabe qual é sua recompensa, mas é preocupante o efeito que seu trabalho pode ter em sua Humanidade. Quanto tempo passará antes que se transformem em frias maquinas de matar? E se isso ocorre, como a ordem poderá controlá-los?

Fonte: Vampiro: O Réquiem, Livro de coalizão: Ordo Dracul, Ritos do Dragão e https://sites.google.com/site/vampiroorequiem/resumo-das-coalizacoes

0 comentários:

Postar um comentário